sábado, 20 de maio de 2017

Histórias sem fim sobre alguém, escondidas na ilha da inconsciência... (parte I - A adolescência e a pós-adolescência)


O obstáculo em que se esbarrava inicialmente era a pobreza no campo das abstrações. A percepção literal da realidade não diferenciava em muito o ser transcendental teoricamente humano, de seres carnais fora desta categoria. Este foi o início... um tanto rudimentar, muito desastrado, mas que demonstrava um certo talento, cujo substrato eram apenas músicas simplistas e pouco mais do que notas de rodapé de um clássico ou outro do pensamento da humanidade.

Um ser falante, feito de desejo, contido num narcisismo óbvio e precário se desenvolvia de maneira descoordenada. Nenhum tutor estava de verdade envolvido no processo. Tinham lá alguns similares a "Mestres dos Magos", que ofereciam conselhos enigmáticos, mais interessados em viverem suas próprias pseudo adolescências do que no exercício de real responsabilidade... muito longe de serem capazes de ajeitar as coisas ou de exercerem qualquer autoridade.

Mas ainda assim os valores iam sendo construídos, firmados a cada dia no valor da diferença. Situava-se através de uma rede de oposições. Encontros frustrados com intuito de metaforizar desejos mais complexos e completos acabavam se parecendo com um grande bazar de miudezas no qual se gera muito interesse momentâneo, mas que não se podia aproveitar muita coisa no sem graça cotidiano da vida real. 

Porém, como afirmou um filósofo nada qualquer, "os momentos essenciais da vida são marcados pelo transpor de uma identificação a outra"... identificações que eram contraditórias entre si, levando o indivíduo a apaixonar-se pelo problema... desejos que se opunham as demandas geravam uma moldura hedonista para a vida, firmados em seduções transferenciais.

Mas claramente, não se podia forçar a ingestão do saber. Era nítida a vacuidade do sujeito, seu vazio de próprios pensamentos. Significantes anacrônicos exerciam dominação, mas que permaneciam camuflados pelo gosto de falar indefinidamente. Não era possível enquadrar, nem medir realmente aquele ser nascente para a vida adulta... muito menos através de suas próprias réguas frágeis.

A narrativa verdadeira se construía sem cenário, sem cores, num campo apenas subjetivo, com significações abstratas. Era possível apenas entender a si mesmo através do outro, só o outro era real, portanto, só a partir do outro era possível enxergar-se. Seu comportamento era permanentemente exercido através de pressupostos, que correspondiam plenamente a sua própria reputação... fosse lisonjeira ou terrificante. Mas quase todo seu recurso era emprestado e artificial, portanto, mesmo guardando alguma reputação, tinha uma fragilidade evidente, mas que ninguém viu.

Ninguém viu porque, como afirmou o filho amado da psicanálise, "reconhecer o outro como humano é muito diferente de reconhecê-lo como sexuado". É certo que mesmo nesta seara, carregava alguma sofisticação... mas que não passavam de desastrosas experiências de fazer com que o mal-estar se transformasse em satisfação, que agiam no intuito de apenas calar evocações de humanidade que tentavam ser trazidas a tona.

Então, um tom alegre que se desmentia diante de qualquer brisa fria, revelava somente verdades não agradáveis que não prometiam salvação. O refúgio se dava na obscuridade, guardando nas sombras posições fundamentais de existência, gerando dependências essenciais. E assim se arrematava um período, selava-se uma fundamentação.


quarta-feira, 17 de maio de 2017

Vida vegetativa


As mágoas eram parte da vida real... cotidianos impositivos os levavam a percepções de rejeição, de cansaço, de esgotamento. Que iam se tornando aversões quanto a própria existência. Incrustravam-se então, nos cantos de cada um  deles, os nódulos emocionais nocivos, que bloqueavam a espontaneidade para a vivência leve, rejeitando assim qualquer possibilidade de cumprimento das teses fundamentais do esoterismo.
Era evidente devido a inquieta hostilidade expressa que tudo tinha uma causa que se encontrava no passado. Levada em frente que se acumulava... trazendo novas formas, retroalimentadas. Eram possíveis as justificações destes sentimentos, tanto quanto se quisesse. 

Mas só poderiam ser definidos correlativamente, mágoa e indivíduo, ambos os agentes possuíam características similares evidentes a um olhar mais atento. Encaixes de lacunas e colunas tristes davam formas as culpas que se instalavam, oferecendo falso substrato a uma vida vazia.

Seres humanos que não se achavam universalmente realizados, rotinas uniformes que indicavam vidas vegetativas, que não resistiriam ao ser inquiridas sobre seus sensos e significados. Indivíduos fracionados, cujos conhecimentos atemporais contidos estavam esquecidos, abandonados.

Quais as saídas? Total impossibilidade de tornarem-se subitamente ativos, metades dissemelhantes, gente infiel aos seus delírios, mergulhada em fundamentações lógicas e indicações de evidências radicalmente inúteis de fatos sincrônicos justapostos. Não haveria mediações através das quais se pudessem instalar processos de aproximação. Observações doloridas... nada mais a fazer, senão a poesia.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Diálogos com Beauvoir


Situação mais ou menos encerrada, realidade misteriosa, ameaçada. Coisas subjetivas que hoje não existem mais, talvez nunca tenham existido, talvez fossem apenas fugas inautênticas.

Com uma evidência total, apresentavam-se sentidos singulares de características imputadas como limitações. Não eram singularidades, eram relativizações do outro, estabelecendo a si mesmo como referencial.

Questões absurdas implicadas como princípio, descobrindo-se na própria consciência as razões das aproximações estabelecidas. E por mais longe que se remontasse na história, estariam presentes apenas agitações simbólicas, muito distante dos protagonismos reais.

Nem as promiscuidades espaciais, nem a elaboração do mundo com o olhar próprio estavam no campo das permissões e das licitudes. Sempre uma existência justificada, revestida de um prestígio infame. 

De um lado, uma liberdade que deveria inventar seus fins sem auxílios, do outro, a tentação de fugir de sua liberdade e de constituir-se confortavelmente em coisa. Cortadas de sua transcendência, frustradas de todo valor...

Não havia partilha igual do mundo, por mais que se contestasse todas as justificações. Os donos exibiam sua satisfação alicerçada no absoluto e em sua pretensa condição de eternidade, com todas as peculiaridades a serviço de seus desígnios.


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Experiências reinventivas


O tempo descrito, encontrava tanta ressonância diante de uma infinidade de leigos interessados que a proposta de unificar a forma e conteúdo, necessitava de mais interpretações para atender tamanha demanda... seguindo o rastro de outros estímulos e sugestões.

Talvez fosse necessário reconhecer a direção na qual, agora de forma ampliada, indicava a imensa quantidade de sintomas manifestos. Construir uma capacidade de tomar passos intermediários, presindindo-se de uma divisão de acordo com as funções apresentadas.

Conformar-se com a exigência direta, com foco no exercício de abnegação, indicando a tarefa a ser executada, estava na pauta do dia de maneira forjada... almejando um âmbito falsamente liberado, incapaz de evitar repetições, impregnada de reações para supostamente embasar novos conceitos na corda bamba do pedantismo.

Demasiada ênfase, menosprezava o primeiro passo, interpretando tudo de forma absolutamente literal.  Ignorando que ninguém poderia ser nem bom nem mal em si mesmo. Constatações a partir de retrospectivas, essas sim...  geravam crescimentos de acordo com os próprios sintomas... tal como explicitado extensamente.

Faltas cometidas na vida cotidiana não reconhecidas ou ocultadas, residentes no abandono da unidade... congratulavam os afetados, lhes anestesiando...  impedindo-os de assumir a responsabilidade pelo próprio destino. 

Reconhecer de bom grado como provas indicações do próprio padrão... isso sim indicaria ir além das medíocres exigências mundanas outrora naturalizadas, criando um ambiente propício para resignificações.

Novos campos de experiência, tornavam-se guia de almas pelos mundos interiores, lugares feitos para causar incômodos, países anímicos próprios e coletivos, coincidiam com os desejos pulsantes arrebatadores, facilmente identificados... obtendo-se então, a possibilidade, ainda que remota, de curar-se.


sexta-feira, 12 de maio de 2017

Arena de conflitos éticos



Deslocamentos semânticos marcavam uma discussão intrincada pelas mais variadas vozes. Ao examinar tais deslocamentos, percebia-se a judicialização das relações sociais. Variando a esfera óbvia propriamente dita.

Mas era claro que os sentidos nunca se esgotavam numa única interpretação... eram séries de pensamentos latentes inteiramente diferentes... elementos considerados isoladamente... retratos de cansaço também.

O que nascia da seara estritamente privada... ódios e paixões, dissolviam-se agora na cultura cívica, na medida em que se propunha a substituir os velhos ideais. Uma estranha lealdade fazia-se depositária do ideal justo... contraposição ineficaz ao injusto.

Havia uma pluralidade de acontecimentos traumáticos e alguns caminhos laterais que contornavam tudo. Estranho velho mundo.

Formavam-se então elementos híbridos localizados no limbo das iniciativas bélicas, estatutos de dependência social, nos quais os exemplos vigentes e concretos teimavam em contestar  as argumentações. Recheadas de limitações.

Revelavam-se de forma incompleta os sentidos, mas revestidos de uma incompletude essencial. Novas estranhas associações ao material oferecido originalmente. Caráter de inacabamento essencial da interpretação. Vulgarização da delação...

O encapsulamento da violência mexia veementemente com a lógica das dinâmicas das relações de poder, que ironicamente tinha uma pretensão de neutralidade, tentando apagar a dinâmica política que constituía tal realidade.

Não havia começo nem fim absolutos. Emaranhados de pensamento... simbolismos inerentes. Atestados pela oposição feita, pois eram metades de um objeto partido... que talvez acabassem sem sentido.

Seres inocentemente comprometidos empenhavam-se na formulação de demandas, na tentativa quase estéril de empoderar as vozes dos pequeninos que participavam do jogo mortal. Vistos como parte de um signo convencional. Apontados como sua característica fundamental... traduziam-se em fragmentos insanos de atributo essencial, mediadores entre a subjetividade e o real.

Esforçavam-se para empreender distinções entre os diversos significados... evidenciando a complexidade que reveste as relações... dissimetrias de poder relativas... idiossincrasias que marcavam os contextos contemporâneos. Meros sinais temporais de um acontecimento? Os códigos eram absolutamente privados... uma articulação entre o sinal e o sinalizado. Mas em precariedade de situação.

No entanto, o embate era certo e a derrota provável, pois as iniciativas se interseccionavam com outras dimensões recortadas, formando assim, um intrincado paradoxo. Definições correntes versus concepções inegavelmente progressistas. Implicadas em tramas assimétricas. O pensamento intrometido disfarçou-se em características básicas quanto a constância das relações.

Mas no pano de fundo, em curso estava a aquiescência e os compromissos mútuos. As vezes as traições eram postas através de garantias de sentido estrito e até formal, outras vezes apenas formulações tácitas. Quadro paradoxal, resultado de uma espécie de truncamento. Universalidades e particularidades se articulavam e se atritavam, negando pressupostos que orientavam a melhor ação, na imensa arena de conflitos éticos.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Pauta


A simulação desempenhava um papel desprezível, formando uma injunção permanente de contradições da torrente de fatos narrados. Crises deflagradas pelas expectativas frustradas, liberação de uma grande carga de afeto acumulada. 

Eram tantos sentidos a serem interpretados, sentidos que indicavam formas disfarçadas de realização de desejos. Mas não havia confiabilidade nas chaves de interpretação. Conglomerados de formações psiquícas, de cujas entranhas emergiu um material misterioso e inacessível.

Em um solo histórico que possibilitava a emergência, traçava-se continuidades e assinalava-se efeitos, aturdidos pelas grandes descobertas já tantas vezes encobertas. Mas a pauta era o desejo que animava, gente entregue a perplexidade por todo lado, que se fossem refletir, não encontrariam nada. Talvez somente a ausência de qualquer garantia. 

Longo tempo oculto pela ignorância, a diferença é que antes não era perfeitamente delimitada. Mas produzir o saber sobre algo, é produzir algo. Construir uma narrativa.... sob formas diferenciais segundo as quais ela se apresentava. Mas a loucura nada mais seria do que uma doença sem corpo, que não minimizava o desamparo original de todos os verdadeiramente envolvidos. 

Como evitar a alucinação e a consequente decepção? Encontrar a desejada identidade perceptiva... instaurar propriamente o discurso, implacar os últimos esforços de resistência. E assim, ceder lugar a um decifrar real de sentidos. Encontrar o ponto de articulação entre as coisas, que a censura impedia de saber.

Noções de defesa... maus indícios que pretensiosamente se transformaram em evidências, constituindo ideias de natureza aflitiva, muito aquém de serem informações eruditas. No entanto, a continuidade era dificilmente recusável. Um palco gigante para encenar uma peça homérica... muito importante para os amantes, mas, na verdade, inócua para os demais.

Esqueceram-se de conservar vias de escoamento, reduzir as tensões decorrentes, constituindo um represamento total. Havia qualidades simultaneamente percebidas, que não implicavam na mutabilidade de seu conteúdo. Tudo estava posto... por enquanto, ninguém deposto.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Não pertencimento


A percepção do que sensos comummente construídos chamariam  de arrogância, talvez fosse a constituição da chave da operação-ruptura com alguns saberes existentes. Saberes externos, essencialmente. Mas não só. Seria preciso reconhecer e preparar arsenais para a luta interna na qual a razão era apenas um efeito da superfície.

Concepções excessivamente generalizantes, clivagens inevitáveis tolhiam a singularidade concreta dos olhos atentos aos neófitos movimentos da alma. Mas as necessidades da subsistência ainda se materializavam como grilhões da negação do ser. Proporcionando fundamentos radicais de permanência que deveriam ser gradualmente rompidos.

A lógica era o não pertencer a nenhum lugar preexistente. Mesmo as localidades subjetivas que foram preservadas como referência, estavam obsoletas... não faziam eco em um ego cansado dos mesmos padrões. 

Já as paisagens reais, cognotivamente apreesíveis, pareciam ser essencialmente farsantes. As fofocas cotidianas, os maldizeres paupérrimos, as ordenanças vazias de substratos humanos. O não pertencimento aos lugares obrigatórios pelo tempo guardava em si o resto do mundo e neste resguardo produzia o seu próprio lugar.